Pesquisa do Data Popular revela: Marcas de grife têm vergonha de seus clientes mais pobres

 

Donos de marcas famosas de roupas estão preocupados e envergonhados. Essa é a constatação revelada pelo Instituto Data Popular. O motivo para tanto desconforto por parte destas empresas é o associação de seus produtos a consumidores das ditas “camadas mais baixas” da sociedade.

Com os chamados “rolezinhos” (caracterizado pelo encontro de jovens da periferia em locais frequentados pela classe média alta) formatou-se a imagem de jovens das classes “C” e “D” que aderiram a seu visual itens caros para os padrões do brasileiro. De um tênis Mizuno em torno de mil reais a uma camisa Lacoste (algo na casa dos trezentos reais) a ordem é não poupar na construção da imagem.

Algumas delas consultaram o Instituto Data Popular, especializado em dados de mercado desse segmento, para pedir orientações de como desvencilhar sua imagem dos frequentadores das reuniões.

Em entrevista ao site UOL Economia, o diretor do Data Popular, Renato Meirelles, explicou a origem de tanta vergonha por parte destas marca: “São marcas que historicamente foram posicionadas para a elite e o consumidor que compra exclusividade pode não estar muito feliz com essa democratização do consumo".

Ainda na publicação do Uol, Meireles afirma que os donos dessas empresas afirmam que "minha marca está virando letra de música, febre na periferia e não quero estar associado a esse pessoal'".

Imagem: Yahoo Finanças