CUT comemora 31 anos e lança Plataforma da Classe Trabalhadora

A CUT é a central sindical mais representativa do país, segundo pesquisa do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE)

A Central Única dos Trabalhadores do Estado do Ceará (CUT-CE) comemorou na quarta-feira (27), na sede estadual, em Fortaleza, 31 anos de fundação da entidade. Estiveram presentes na solenidade representantes dos 13 ramos de atividade econômica organizados na CUT, além de movimentos sociais, lideranças políticas, parlamentares, trabalhadores e trabalhadoras de todo Estado. A CUT é a maior central sindical, com 34,39% de representatividade, segundo pesquisa do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Durante o ato político, a presidenta da CUT Ceará, Joana Almeida, realizou a entrega simbólica da Plataforma da Classe Trabalhadora à candidata à vice-governadora, da coligação ‘‘Para o Ceará seguir mudando’’, Izolda Cela, que firmou compromisso com as reivindicações dos trabalhadores. “Chegamos aos 31 anos com uma central sindical fortalecida. Aqui no Ceará nós temos cerca de 300 sindicatos filiados, representamos 1 milhão de trabalhadores. Nascemos defendendo a democracia e acreditamos que através do diálogo conseguiremos solucionar uma série de pendências”, discursou a presidenta da Central.

Para a candidata Izolda Cela, a atuação da central é reconhecida como instrumento legítimo dos trabalhadores. “A capacidade de mobilização e articulação da CUT é o que faz essa central ter saldo extremamente positivo ao longo desses anos. É possível seguir com garantia de direitos, com mais mudanças e mais futuro’’, finalizou.

Mudanças

A Plataforma da Classe Trabalhadora foi construída de forma coletiva e tem como objetivo contribuir nas mudanças no rumo do País e na relação de forma mais igualitária entre o capital e o trabalho.

Defender o projeto de Brasil com trabalho decente, educação de qualidade, reforma do sistema político, igualdade de oportunidades, políticas públicas de convivência com o semiárido, desenvolvimento sustentável com justiça social e distribuição de renda. Este é o anseio dos trabalhadores e trabalhadoras do Estado e do Brasil.

Escrito por: Oliane Silva Pinto